Projetos

10%


PPLI



DESCRIÇÃO


Plano Nacional Moçambicano de Rastreio e Tratamento das crianças com Papilomatose Laríngea.
A Papilomatose Laríngea (PL) é uma doença da laringe com presença e proliferação de papilomas benignos, que podem ser únicos ou múltiplos, de implantação séssil ou pediculada, e que geralmente são recorrentes, designando-se por Papilomatose Laríngea Recorrente (PLR).
(laringe com papilomas obstrutivos) (laringe normal)
A PL é causada pela infeção do Papiloma Vírus Humano (HPV), um DNA vírus com mais de 100 tipos diferentes.
Os tipos HPV-6 e HPV-11 são os mais frequentemente encontrados na PL.
Menos frequentemente são encontrados o HPV-16 e o HPV-18, estes estando ligados com potencial risco de malignização



OBJETIVOS


O Plano Nacional Moçambicano de Rastreio e Tratamento das crianças com Papilomatose Laríngea visa, como objetivo geral:
Tratar todas as crianças com o diagnóstico de Papilomatose Laríngea, na área de influência dos 3 Hospitais Centrais (Maputo, Beira e Nampula).
Considera-se fundamental que o Plano Nacional Moçambicano de Rastreio e Tratamento das crianças com Papilomatose Laríngea atinga, no entanto os seguintes objetivos específicos:

      A. Identificação regional das crianças com potencial PL

      B. Referenciação para Unidade Central

            a) Diagnóstico definitivol

            b) Tratamento

            c) Follow up

      C. População-Alvo

      D. Metas/ Resultados esperados


O Plano Nacional Moçambicano de Rastreio e Tratamento das crianças com Papilomatose Laríngea tem como meta, formação de equipa local experiente, para tratar em tempo útil cada criança diagnosticada com PL, sempre que possível na fase sem dificuldade respiratória, promovendo a remoção rápida da cânula de traqueostomia nas crianças já em fase mais avançada, assim como tratando as recidivas em fase precoce (evitando a realização de nova traqueotomia).
É igualmente meta otimizar o rastreio epidemiológico nas áreas de intervenção do Projeto, atualmente inexistentes.


      E. Estratégia de Intervenção:

            1. Criação e formação das equipas;

            2. Realização de intervenções cirúrgicas em cerca de 186 crianças com

                papilomatose laríngea;

            3. Criação de Folhetos Informativos para ALERTA dos sinais e sintomas da PL e SENSIBILIZAÇÃO de

                toda a população para a PL;

            4. Divulgação transversal dos folhetos e cartazes sobre a PL;

            5. Disponibilidade para contato online / videoconferência dos profissionais de Moçambique;

            6. Deslocação de equipas médicas e técnicas Moçambicanas ao CHEDV/Portugal para formação

                 específica na área de PL;

      F. Recursos necessários

            1. Recursos Humanos

            2. Recursos Materiais



EQUIPA


O Plano Nacional Moçambicano de Rastreio e Tratamento das crianças com Papilomatose Laríngea integra um grupo de trabalho constituído por:

       • Professora Vitória Branco – Médica do Serviço ORL do HCM / Líder do Projeto

       • Professora Vitória Branco – Médica do Serviço ORL do HCM / Líder do Projeto

       • Dr. Pedro Machava – Diretor do Serviço ORL do HCM

       • Dra. Carla Carrilho – Diretora do Serviço de Anatomia Patológica do HCM

       • Dra. Emilia Jeque – Diretora de Anestesiologia do Bloco Operatório do HCM

       • Dra. Clara Ramalhão – Médica de Neurorradiologia do Hospital Pedro Hispano / Coordenadora Projeto

       • Dr. Hugo Amorim – Diretor do Serviço ORL do CHEDV / Coordenador do grupo trabalho de Portugal 16

       • Dr. Carlos Pinheiro - Médico do Serviço ORL do CHEDV

       • Dr. Hugo Amorim - Médico do Serviço ORL do CHEDV

       • Prof. Nuno Trigueiros – Médico do Serviço ORL do Hospital Pedro Hispano

       • Dra. Alexandra Correia – Médica do Serviço ORL do CHEDV

       • Dra. Anabela Santiago – Médica do Serviço ORL do CHEDV

       • Dr. Paulo Figueiredo – Médico Anestesista/Diretor do Serviço de Anestesia do CHEDVs

       • Enfermeira Manuela Cardoso – Coordenadora do BO/ORL do CHEDV

       • Professor Alfonso Rodriguez – Professor Catedrático em Anatomia Patológica de Universidade

          Autónoma de Barcelona (Área de Investigação)

       • Dra. Mariza Ortega – Médica Forense da Universidade Autónoma de Barcelona (Área de Investigação)



PLANO DE AÇÃO



Plano Nacional Moçambicano de Rastreio e Tratamento das crianças com Papilomatose Laríngea

A prevenção primária e a redução de risco de transmissão, o rastreio e sinalização das crianças com PL, assim como o seu diagnóstico clínico precoce, realizadas com a intervenção dos cuidados de saúde primários (nos diferentes postos de saúde) e posterior referenciação para os Hospitais Centrais, constituem medidas indispensáveis para a redução das taxas de morbilidade e mortalidade da PL.
Para atingir os Objetivos do Plano Nacional Moçambicano de Rastreio e Tratamento das crianças com Papilomatose Laríngea, com natureza organizativa e melhoramento das práticas profissionais, serão ações pertinentes no campo da intervenção:

      1. Criação e formação das equipas (pessoal médico, enfermagem e outro), no HCM, na área desta

          patologia, em Maputo - Moçambique..

     2. Realização de intervenções cirúrgicas em cerca de 186 crianças com papilomatose laríngea, no Centro

          de Diagnóstico e Tratamento das Papilomatoses Laríngeas - Serviço de ORL do Hospital Central de

           Maputo.

      3. Criação de Folhetos Informativos para ALERTA dos sinais e sintomas da PL e SENSIBILIZAÇÃO de toda

          a população para a PL.

      4. Divulgação transversal dos folhetos e cartazes sobre a PL, para alerta dos sintomas nas crianças com

          patologia, para sua referenciação posterior ao HCM.

      5. Disponibilidade para contato online / videoconferência dos profissionais de Moçambique, Espanha e

          Portugal, no sentido de interajuda e resolução de problemas.

    6. Deslocação de equipas médicas e técnicas Moçambicanas ao CHEDV/Portugal para formação

        específica na área de PL, incluindo 1 médico ORL, 1 médico anestesista e 1 enfermeira, durante 1 semana

        em cada ano do Projeto.



2018

Resultados

.......................



A MAssALA arrancou em Junho de 2018 com uma Missão Piloto que contou com três Médicos especialistas em parceria com o serviço de Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital Central de Moçambique.


Esta Acão decorreu com o maior sucesso, uma vez que cumpriu todos os objetivos a que se tinha proposto, nomeadamente pela utilização (pela primeira) vez da técnica cirúrgica por laser CO2, o que se consubstanciou numa intervenção médica de caráter absolutamente pioneiro não só em Moçambique mas também na maior parte dos países da África Subsariana



Período


      • 11 a 16 de junho de 2018



Participantes


      • Dra. Clara Ramalhão - Coordenadora do Projeto e Presidente da MAssALA;


      • Dr. Hugo Amorim - Otorrinolaringologista e Coordenador da equipa de ORL do Projeto MassaLA;


      • Dr. Paulo Figueiredo - Anestesiologista e Coordenador da equipa de Anestesia do Projeto MAssALA;



Ações realizadas:


      • Reconhecimento das condições humanas e técnicas existentes no Hospital para criação de uma plataforma global de funcionamento otimizada;



      • Diagnóstico e Tratamento de um grupo de crianças selecionadas com esta patologia. Foi realizado o diagnóstico a 25 crianças e 11 delas foram sujeitas a intervenções cirúrgicas no CDTPL, com remoção total das lesões papilomatosas, que seguiram posteriormente para o laboratório de Anatomia Patológica do HCM com a confirmação diagnóstica obtida;



      • Início do Programa Nacional de Rastreio, de forma a ser possível identificar o maior número de crianças com Papilomatose Laríngea com foco inicial na província de Maputo e posterior extensão a outras províncias de Moçambique, designadamente Beira e Nampula. Neste âmbito, foram definidos os conteúdos para produção de panfletos ilustrados a serem usados como ferramenta de divulgação desta doença;



      • Inauguração oficial do “Centro para Diagnóstico e Tratamento das Papilomatoses Laríngeas (CDTPL)”, que teve honras de Estado dos Governos de Moçambique e de Portugal;



      • Procura de parcerias para apoio e financiamento ao Projecto, junto de várias instituições de referência Moçambicanas.